Testes bem-sucedidos: novas vacinas contra a aids

Londres (dapd). Pesquisadores pela primeira vez testaram várias vacinas combinadas contra a aids que também protegem contra misturas de vírus resistentes e agressivas. Em experimentos com macacos rhesus, as vacinas geneticamente modificadas reduziram...

Testes bem-sucedidos: novas vacinas contra a aids

Londres (dapd). Pesquisadores pela primeira vez testaram v√°rias vacinas combinadas contra a AIDS que tamb√©m protegem contra misturas de v√≠rus resistentes e agressivas. Em experimentos com macacos rhesus, as vacinas geneticamente modificadas reduziram em 80% o risco de infec√ß√£o dos animais em contato √ļnico com o v√≠rus da imunodefici√™ncia s√≠mia (SIV). Pelo menos quatro administra√ß√Ķes de solu√ß√Ķes virais foram necess√°rias para infectar metade dos macacos vacinados com a doen√ßa semelhante ao HIV. Os animais infectados com vacinas tamb√©m teriam significativamente menos v√≠rus no sangue do que os n√£o vacinados, relatam os pesquisadores na revista "Nature". (DOI: 10.1038 / nature10766)

"Nenhuma vacina candidata contra o HIV-1 conseguiu, at√© agora, prevenir a infec√ß√£o com v√°rios tipos de v√≠rus dif√≠ceis de neutralizar", escrevem Dan Barouch, da Harvard Medical School, em Boston e seus colegas. O prot√≥tipo de vacina RV 144, que foi testado pela √ļltima vez na Tail√Ęndia em 2009 para 16.000 pessoas, reduziu a taxa de infec√ß√£o em apenas um ter√ßo. As novas vacinas candidatas consistem em adenov√≠rus geneticamente modificados, um tipo de v√≠rus que inclui v√≠rus comuns do resfriado. Genes para tr√™s prote√≠nas do v√≠rus da AIDS, Gag, Pol e Env, foram adicionados ao seu genoma. Como resultado, os v√≠rus da vacina estimulam o sistema imunol√≥gico do receptor a produzir anticorpos espec√≠ficos contra essas tr√™s prote√≠nas do HIV e a combater infec√ß√Ķes.

"Nossos resultados mostraram que essa combinação também forneceu proteção vacinal contra a administração repetida de adenóides de macacos", relatam os pesquisadores. A proteína de superfície Env provou ser crucial. Somente se isso foi incluído nas vacinas combinadas, a vacina preveniu a infecção. Como as proteínas de superfície do SIV (vírus dos auxiliares dos macacos) e do HIV (vírus da AIDS humana) são semelhantes, isso também se aplica às vacinas contra a AIDS humana.

A vacina combinada de maior sucesso nos testes ser√° testada em humanos em um primeiro ensaio cl√≠nico. O planejamento j√° est√° em andamento para s√©ries de testes nos EUA, na Tail√Ęndia e na √Āfrica.

Para o estudo, os pesquisadores vacinaram 40 macacos rhesus com uma das quatro combina√ß√Ķes de vacina ou com um placebo. Ap√≥s seis meses, todos os macacos receberam um total de seis vezes solu√ß√Ķes contendo aden√≥ides de macaco no √Ęnus. Durante todo o per√≠odo do estudo, os cientistas monitoraram o ataque do v√≠rus e a rea√ß√£o imunol√≥gica dos animais por meio de amostras regulares de sangue. "Ap√≥s a primeira transmiss√£o do v√≠rus, 75% dos macacos de controle foram infectados com SIV, mas apenas 12-25% dos animais vacinados", relatam Barouch e seus colegas. Somente ap√≥s tr√™s a quatro vezes repetidas a transmiss√£o do v√≠rus, metade dos macacos vacinados foi infectada.

Segundo os pesquisadores, o resultado gera grandes esperan√ßas, pois as subst√Ęncias tamb√©m agem contra misturas de v√≠rus, normalmente muito dif√≠ceis de combater variantes de v√≠rus. O v√≠rus da AIDS √© geneticamente muito mut√°vel, tantos pat√≥genos diferentes est√£o em circula√ß√£o. Para ser eficaz, uma vacina deve proteger contra o maior n√ļmero poss√≠vel desses tipos de v√≠rus. Esse √© o caso das subst√Ęncias que testamos, dizem os cientistas.


Como Este? Compartilhe Com Seus Amigos: